8 dicas para perder peso que realmente funcionam!

8 dicas para perder peso que realmente funcionam!

Compartilhar

A maioria das pessoas deseja perder pelo menos alguns quilos. Esse desejo desenfreado de ter o corpo perfeito levou muitos a buscarem informações sobre dietas e emagrecimento, criando um verdadeiro mundo fitness de informação. E, claro, todo os dias as marcas lançam novos produtos sempre com a mesma promessa: perder peso rápida!

As dietas também sempre mudam. Já não basta mais aquela tradicional reeducação alimentar de comer mais frutas e verduras, carnes magras e evitar carboidratos e açúcar refinado. Todos os dias surgem dietas da moda, que determinada famosa fez para perder uma quantidade absurda de peso em pouco tempo. Todas elas têm algo em comum: a promessa de perder peso rápido, aliada a proibição de um grupo alimentar, seja o açúcar, carboidrato, gordura, glúten ou lactose.

Mas, dificilmente estes processos de emagrecimento baseados em informações da internet, nutricionistas online pelo Instagram e dietas da moda tem efeito duradouro. E o pior, muitos deles acabam sendo realmente nocivos para a sua saúde. E agora, como saber quais as dicas e truque que realmente valem a pena? Para responder a essa pergunta, consultamos Maria Luiza S. Moura, nutricionista funcional que vai desvendar quais as dicas para perder peso que são realmente validas!

  1. Esqueça a dieta da moda

Estudos comprovam que aqueles que procuram as dietas da moda para perder peso tendem a ganhar todo o peso perdido e até mais quilos. Aposte numa verdadeira reeducação alimentar, que use o sistema de trocas inteligentes para acostumar o organismo a se alimentar melhor sem o desejo incontrolável por alimentos não saudáveis.

  1. Ovos no café da manha

O ovo ficou muitos anos no limbo das dietas, relegado a posição de calórico e gordo, ou seja, ruim para a saúde. Mas o ovo é sim um ótimo alimento e deve ser consumido com regularidade. Ele tem alta concentração proteínas e que, se consumido no café da manhã ajuda a controlar a fome pois demora mais tempo para ser digerido.

  1. Um copo de agua antes das refeições

Sim, outro mito cai por terra. Muitos dos nossos pais e avos diziam que é ruim beber durante as refeições ou antes dele. Entretanto, um estudo da Universidade Virginia Tech (Virginia, EUA) mostrou que aqueles que consumiam 0.5 litros de agua minutos antes da refeição principal consumiam cerca de 40% a menos de calorias.

Maria Luiza nos ajuda: “Além de fazer o organismo funcionar corretamente, já é fato que beber água ajuda as pessoas a comerem menos… Visto que, muitas vezes, a sensação de fome confunde-se com a de sede. Por isso, lembro sempre meus pacientes de se manterem hidratados durante o dia todo, não devendo esperar que a sede venha para tomar água”.

  1. Use pratos menores

Algo muito simples que você pode fazer pelo sucesso da sua dieta é diminuir o tamanho físico dos pratos e copos. Pode parecer besteira, mas o nosso cérebro interpreta o prato menor como uma necessidade de comer menor. A ilusão do prato cheio é suficiente, não importa o seu tamanho de fato.

  1. Café preto e Chá Verde

Maria Luiza destaca os benefícios do chá verde “Como todo chá, ele possui efeito diurético, o que já é muito benéfico, mas o destaque fica para seu efeito termogênico. Lembrando que ele deve ser tomado sem adição de açúcar e de forma moderada, preferencialmente orientada por um nutricionista”, diz.

Já o café preto, devido a cafeína, pode acelerar o metabolismo de 3 a 11%, aumentando a queima de gordura em 10%! “Só não vale adicionar açúcar! O ideal é começar colocando um pouco de adoçante e, com o tempo, tentar tomá-lo puro. E também não deve ser consumido em excesso; costumo recomendar a meus clientes até três xícaras de café por dia, mas isso pode variar muito de pessoa para pessoa. O ideal é conversar sempre com seu nutricionista”, destaca Maria Luiza.

  1. De adeus ao açúcar adicionado e refinado

O açúcar é sem dúvida o vilão do século, tanto no quesito saúde estando relacionado a uma infinidade de doenças (diabetes, pressão alta, problemas circulatórios) quanto a um aumento vertiginoso da obesidade. Hoje consumimos muito mais alimentos industrializados se comparados aos nossos pais e a grande maioria deles tem quantidades enormes de açúcar adicionado.

Não, e isso não se restringe aos doces. Procure na embalagem de algum alimento salgado a quantidade de açúcar e carboidratos e tenha um verdadeiro susto! “Muita gente se engana pensando que comprando, por exemplo, um suco de caixinha está ‘fazendo um bom negócio’, mas esse é um tipo de produto que contém muito açúcar adicionado, é péssimo para a saúde. É preciso se atentar aos rótulos… Costumo dizer aos meus pacientes inclusive que, se não souberem do que se trata a maioria dos ingredientes mostrados no rótulo, é melhor nem comprar o produto! ”, destaca Maria Luiza.

  1. Descubra o Óleo de coco

Rico em triglicerídeos de cadeia média, o óleo de coco se transforma facilmente em energia no nosso organismo. Estudos relacionam o seu uso a um aumento metabólico de até 120 calorias por dia, redução do apetite e redução no consumo de até 256 calorias por dia. “O consumo de óleo de coco é super benéfico à saúde e ele pode substituir outros óleos para cozinhar, já que não produz produtos tóxicos quando submetido a altas temperaturas. Porém, vale lembrar: ele não deve ser consumido em excesso, já que é uma gordura, por isso o ideal é sempre conversar com seu nutricionista e ver a melhor maneira de incluí-lo em sua dieta”, destaca Maria Luiza.

  1. Evite os carboidratos refinados

Os carboidratos refinados, aqueles originários da super dosagem de açúcar nos alimentos industrializados é um dos responsáveis pelo aumento enorme no número de obesos. Ele aumenta os picos de açúcar no nosso sangue, aumentando o desejo por alimentos doces e a fome, de maneira geral. O carboidrato causa um verdadeiro ciclo vicioso no nosso organismo: o seu consumo gera a demanda por mais carboidrato.

Prefira o carboidrato natural dos alimentos, dando preferência aos chamados carboidratos de cadeia complexa, como a batata doce, a mandioca e o inhame.