Conheça os estimulantes sexuais para mulheres e como eles funcionam

Conheça os estimulantes sexuais para mulheres e como eles funcionam

Compartilhar

O sexo deve ser encarado pelo casal como um momento de prazer, de diversão e intimidade entre o casal e não com uma obrigação. Por diversos motivos algum dos parceiros pode não estar satisfeito ou até desinteressado com a saúde sexual do casal. Nesses momentos vale ter a mão um estimulante sexual.

Geralmente essa falta de desejo sexual, de libido, é muito mais comum entre as mulheres do que entre os homens. Antes, falar sobre libido feminismo era um verdadeiro tabu, por isso demorou muito até o mercado se adequar e oferecer estimulantes sexuais femininas seguros para o uso. Para ajudar na tarefa e entender como funcionam estes estimulantes, consultamos a sexóloga Roberta Bastos.

 Quando os estimulantes são indicados?

Os principais usos e indicação dos estimulantes sexuais são para mulheres com disfunção sexual de natureza muscular ou alguma espécie de bloqueio psicológico. “Mas é muito importante consultar um médico ginecologista para entender a real causa do problema e descobrir se o estimulante realmente será eficaz no seu caso”, diz.

Ela acrescenta que algumas mulheres têm a musculatura vaginal (Map – musculatura do assoalho pélvico) enfraquecida, fazendo com que o orifício vaginal seja mais aberto. “Nesses casos a penetração não causa tanto atrito, de modo que a sensibilidade é diminuída tanto para o homem quanto para a mulher. O estimulante não ajuda num caso como esse, pois é necessário fortalecer a região com contrações vaginais diárias. O estimulante vai potencializar o desejo, não o prazer”, explica.

 Quais os principais tipos de estimulantes?

Graças a recente liberação sexual da mulher, já é possível encontrar com certa facilita uma boa variedade de estimulantes sexuais, com propostas diferentes.

Cosméticos: “vão diretamente na região genital e no clitóris para aumentar a vasodilatação local e, por consequência, a sensibilidade e o prazer”, explica Roberta.

Adstringente vaginal: de acordo com Roberta, esse tipo é bastante popular, pois deixa o canal vaginal inchado e mais fechado, aumentando o atrito e o prazer.

Ingeríveis: Roberta explica que também existem aqueles que devem ser ingeridos e têm a mesma função. “Os ‘industriais’ são bastante populares. Eles podem ser encontrados na forma líquida ou efervescente e devem ser misturados na bebida – contanto que não seja gasosa. Ainda é possível encontrar no mercado um tipo de estimulante que vem em lata, uma bebida com aroma de ferormônio – o que atrai o sexo oposto. A maior parte desses ‘energéticos’ possui combinação de extratos naturais que aumentam a disposição, concentração e o apetite sexual”, diz.

Benefícios do uso dos estimulantes

Antes de começar a fazer o uso de estimulantes sexuais, é necessário uma consulta e alguns exames com o seu ginecologista. Muitas mulheres apresentam a baixa de libido por fatores externos, como predisposições musculares, que fazem com que o estimulante sexual não tenha o efeito desejado.

A principal indicação dos ginecologistas para o uso de estimulantes é para mulheres com baixa libido ou apenas aquelas que desejam ter mais prazer durante a relação sexual.

 “Como a maior parte dos estimulantes elevam o nível de testosterona e a disposição para o sexo, é fácil notar o benefício no desempenho sexual e no ânimo do dia a dia. Muitas mulheres experimentam orgasmos múltiplos quando utilizam estimulantes sexuais”, destaca Roberta.

Entretanto, é sempre bom considerar que nenhum estimulante age por si só, nenhum deles faz milagres. Para um prazer aumentado e o desejo sexual, é fundamental estar bem consigo mesmo e ter confiança com o seu parceiro.