Conselhos reais para se livrar da imposição dos padrões de beleza

    Compartilhar

    A grande maioria das mulheres não estão satisfeitas com a própria imagem. Sejam os quilinhos a mais, o cabelo que não é liso ou o sorriso que não é branco e brilhante. A forca da mídia de massa como a TV, jornais e revistas empurrou por anos na sociedade a ideia da perfeição estética, de que a felicidade e plenitude somente é possível se você for bonita, perfeita, se se enquadrar nesse padrão.

    Em busca desse padrão inalcançável é que mulheres do mundo inteiro se submetem a pequenas loucuras. Desde a dieta de só tomar limão com agua até procedimentos estéticos malucos e sem fundamento. Outro exemplo é o uso do formol, uma substancia excessivamente nociva para o organismo que vem sendo usada para alisar os cabelos.

    No Brasil essa busca pelo padrão é enorme, não é à toa que somos o país do mundo que mais realiza cirurgias plásticas de cunho estético, segundo números da International Society of Aesthetic Plastic Surgery (ISAPS), divulgados em julho de 2014.

    Mas, se engana quem acha que esse padrão se atem somente a motivos estéticos. Não, a cobrança se entende ainda, e na verdade é mais pesado em grupos étnicos e sociais. Segundo a psicóloga Nathalia Birkholz, isto “isso estimula a autor rejeição, não é saudável. Se passa a ter a imagem que é o negro não é bonito, que é ladrão, que não é digno de confiança”.

    Apesar da grande maioria das mulheres terem conhecimento dessas imposições, é muito difícil reduzir anos de cobrança e padrões a alguns momentos de reflexão feminista. “A vivência é única e particular”, diz a psicóloga, “ querer mudar o externo de forma excessiva pode acarretar instabilidade emocional e insegurança”.

    Dessa forma, o caminho para o bem-estar é transformado em um exercício diário, no qual é necessário muito amor e auto aceitação. Se você está passando por esse momento de quebra de paradigmas e precisa de apoio, vamos dar alguns conselhos para você começar o processo de se livrar dos padrões.

    Trabalhe a sua autoestima

    Esse é o primeiro grande passo, e o maior desafio. Lute contra a sua própria insegurança e comece a gostar do que vê no espelho. “Ser bonita e se sentir bem vai muito além da aparência do rosto e corpo, envolve também os sentimentos positivos que temos a respeito de nós mesmos e a capacidade de dar conta das imperfeições”.

    Se conheça

    Você é sua melhor amiga! E, por incrível que pareça, o espelho pode estar ao seu lado! Ao invés de gastar longos minutos se observando e se lamentando pela espinha que apareceu, pelo olho direito ser maior que o esquerdo, pela bochecha grande demais ou pela barriguinha saliente, por que não investir seu tempo em um pouco de elogios? Descubra suas características que mais lhe agradam e, quando se sentir insatisfeita com a alguma parte do seu corpo, canalize seu pensamento para o que você gosta, incluindo traços da sua personalidade!

    Nesse exercício, a intenção não é “disfarçar pontos fracos”, é aprender a gostar de você como você é, ainda que por partes. Também é válido quebrar suas próprias regras e dar uma chance a itens que talvez não te chamem tanta atenção: brinque com batons, delineadores, peças de roupas diferentes e deixe-se surpreender. Não gosta dos seus lábios? Experimente uma cor de batom que você sempre amou nos outros, por exemplo, e permita-se gostar dela em você!

    Saúde em primeiro lugar

    Nenhum padrão, dieta ou procedimento estético maluco valem a sua saúde. Apesar de ser muito saudável frequentar uma academia, passar horas fatigando os músculos pode comprometer seriamente o seu organismo. Não se submeta a procedimentos com materiais desconhecidos que podem causar rejeição pelo seu corpo (ex: hidrogel), sempre procurando a magreza e o padrão.

    Esse tipo de comportamento é uma porta de entrada para desenvolver transtornos alimentares graves como a anorexia, bulimia, vigorexia e pregorexia. De que adianta estar linda e magra, dentro desse padrão inalcançável e não ter saúde para gozar a vida?

    Não odeie as outras mulheres

    A cultura machista nos fez acreditar que todas as mulheres são putas, que elas vão ser contra nós, que são indignas de confiança e somente merecem o seu ódio e desprezo. Não encare o mundo como uma competição de beleza, onde você tem que ser a mais linda, a mais capacitada profissionalmente, a mais adorável.

    Não encare as outras mulheres como suas inimigas só porque ela é bonita e tem uma beleza diferente. A beleza está na diversidade e o Brasil é rico em diferentes tipos de beleza. Você não precisa anular a outra para poder existir.