Dicas para ter mais controle sobre o seu dinheiro

Dicas para ter mais controle sobre o seu dinheiro

Compartilhar

Com a vida de adulto vem o trabalho, o dinheiro e a responsabilidade de pagar todas as contas e de equilibrar um orçamento muitas vezes apertado. A tentação do consumo é enorme e muitas vezes acabamos nos endividando. Apenas um pequeno descuido financeiro por alguns dias ou meses já é suficiente para uma bola de neve de gastos se formar e virar um problemão.

Se você está tendo problemas para equilibrar o orçamento, que acaba fugindo do seu controle, vamos te dar dicas práticas para controlar melhor o seu orçamento. O consultor e planejador financeiro Roberto Agi da GFAI Investimento vai nos ajudar com dicas práticas para você melhorar a sua saúde financeira!  “Independente de quanto se ganha, o importante é adequar seu padrão de vida ao tamanho de suas receitas”.

Entenda os seus hábitos de consumo

O primeiro e mais importante passo para organizar a sua vida financeira é entender como você consome. Muitas pessoas não passam por essa fase, o que causa frustrações e faz com que todo o planejamento vá por agua abaixo.

 “Um bom controle de seu fluxo de caixa é o primeiro passo para evitar dívidas”, afirma o especialista. Para tanto, a dica é fazer um orçamento com a sua renda e despesas especificar a aplicação de cada uma. As categorias básicas sugeridas por Roberto são de gastos fixos e destinados ao estilo de vida, que incluem itens como lazer, viagens e compras.

Anote todos os seus gastos

Para compreender os seus gastos, dos fixos como despesas com moradia e alimentação até gastos com entretenimento, é essencial anotar todos os gastos por algumas semanas ou meses para se criar um padrão de consumo e posteriormente um orçamento. E se engana quem acha que vale apenas anotar os gastos grandes. Não. Anote tudo, desde o cafezinho no almoço até o sapato novo.

Você pode adotar o método da caderneta de papel para não deixar nenhum gasto passar, ou ainda se valer da tecnologia. Hoje há uma variedade incríveis de aplicativos onde é possível você adicionar os seus gastos em categorias, para facilitar esse controle.

Não ande com muito dinheiro na mão

Quando a música dizia “dinheiro na mão é vendaval”, não poderia ser mais verdade. A tentação de gastar o dinheiro que se vê na carteira é muito maior. Outro problema é que muitas vezes esquecemos de anotar os gastos efetuados em espécie. Tente concentrar os gastos no cartão de debito e de crédito, pois é possível um maior controle.

Outra dica é ter notas menores na carteira. Ao invés de ter duas notas de 50, que tal ter 5 notas de 20 reais? Após a primeira compra com as notas grandes, temos a sensação de que ela já não vale muito, e que assim estamos livres para gastar mais e mais.

Atenção aos empréstimos

Sabe aquele inocente limite de credito na sua conta corrente? Sim, ele é muito perigoso, pois dá a ilusão de que temos muito mais dinheiro do que o que de fato temos. Outro perigo são os juros do cartão de credito para pagamento do valor mínimo ou parcelamento da fatura. Basta olhar as taxas aplicadas para se assustar!

Se você acabou perdendo o controle financeiro e quer começar a quitar as dívidas, tente renegociar os valores e juros, ou ainda a portabilidade de dividas. Isso quer dizer, sair de uma dívida com juros altos, para outra com juros reduzidos. Para estes casos apenas pode valer a pena usar o limite de credito e o credito consignado.

 Economize e aprenda a investir

Uma vez que todo o planejamento financeiro está em dia e que você já sabe os seus hábitos, que você já saiba exatamente para onde vai o seu dinheiro todo mês, está na hora de criar uma poupança. A intenção dela é ser uma reserva para momentos mais difíceis ou para gastos imprevistos. Não encare a poupança como uma reserva de dinheiro para viajar ou comprar um bem. Para estes casos, crie uma outra poupança a curto prazo.

Se a economia já faz parte dos seus costumes financeiros, também é interessante procurar por algum tipo de investimento que possa te agradar e estabelecê-lo como um objetivo. Pode ser válido também preferir investir em ações alinhadas aos seus interesses pessoais e que darão algum retorno financeiro, aumentando assim a sua renda. “Para escolher o melhor investimento, procure um profissional de sua confiança, preferencialmente alguém que não esteja vinculado à nenhuma instituição, como um planejador financeiro, por exemplo”.

“O ideal é que “50% do seu salário seja direcionado despesas fixas, 30% para despesas de estilo de vida e 20% para investimentos”.

Apesar de parecerem difíceis, com o tempo a adoção destes hábitos financeiros, além de uma atitude de consumo mais consciente, é possível equilibrar a sua saúde financeira e pensar em planos futuros com muito mais segurança.