Entenda a relação entre a celulite e a gordura

Entenda a relação entre a celulite e a gordura

Compartilhar

Toda mulher deseja ser linda em todos os aspectos. Não basta um rosto bonito e cabelos sedosos. Um corpo magro e saudável é a cereja do bolo. Estamos cansadas de saber que a magreza não é necessariamente sinônimo de saúde e que muito desse estereótipo de que só é bonita quem é magra é culpa da mídia que criou um padrão quase inalcançável de beleza.

Mesmo assim, a grande maioria das mulheres ainda deseja ter um corpo magro e saudável e a celulite é um verdadeiro terror da grande maioria delas. A Sociedade Brasileira de Dermatologia acredita que 8 entre cada 10 mulheres tem celulites em algum grau. Esse fato seria explicado pela maior ocorrência de gordura nas coxas, quadris, barriga e bumbum das mulheres, em comparação aos homens.

Mesmo mulheres magras podem ter celulite (e muita). A ocorrência ou não da celulite não é ocasionada necessariamente pelo acumulo de gordura, mas elas apresentam uma correlação entre si. É claro que quanto menor o percentual de gordura (principalmente nas regiões do corpo citadas acima) maior será a incidência de celulite.

Qual a relação entre celulite e a gordura?

A celulite surge por uma alteração metabólica, que faz com que as fibras de tecido que sustentam as camadas exteriores da pele (derme e epiderme) e a camada de gordura logo após elas repuxem a pele. É esse repuxar que causa os famosos e temidos furinhos na pele, aquele aspecto de casca de laranja.

A celulite pode ser descrita como uma inflamação resultante do inchaço das células de gordura do corpo. Por ser uma inflamação é que podemos sentir uma certa dor se apertada as áreas com grande intensidade de celulite. A dor é proporcional ao grau de inflamação dessa celulite na pele.

Graus de celulite

Tipo 1 e 2

Nesse grau a celulite não é perceptível ao olho, somente se pressionada a região. As primeiras alterações atingem a microcirculação daquela região especifica. Até que o organismo começa a reagir ao líquido que fica retido na camada de gordura, engrossando as fibras de sustentação da gordura. Nesse momento, começam a surgir os primeiros sinais do aspecto enrugadinho.

Tipo 3

É nesse grau que podemos perceber os micros nódulos causados pela inflamação dos tecidos gordurosos, não apenas ao toque, mas também somente por olhar. Nesse grau ela já causa um leve desconforto e dor se pressionada, como no momento de realização de massagens.

Tipo 4

Nesse grau, já há uma importante alteração no tecido adiposo e na camada externa da pele. O aspecto de casca de laranja se agrava, com grandes furos na pele, mesmo sem a necessidade de compressão da região.