O fim das Obturações! Estudos apontem que os dentes podem se...

O fim das Obturações! Estudos apontem que os dentes podem se regenerar sozinho!

Compartilhar

A saúde bucal ainda é algo que passa despercebido por muitas pessoas. Seja pela dificuldade de acesso ao dentista, ou até mesmo pela falta de informação, muitas pessoas acabam não cuidando da maneira correta dos seus dentes. O resultado são muitos problemas bucais, entre eles o principal a cárie.

É muito comum encontrar pessoas com as famosas obturações, sejam as quase invisíveis feitas de resina na cor do dente, ou amalgama de metal. Entretanto, um estudo datado de 2002 da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) já apontava que sim, os dentes têm a capacidade de se regenerar e nascer de novo, mesmo em adultos. Este estudo foi resultado na implantação de células-tronco direto em dentes removidos ou até naqueles que nunca nasceram.

Para reforçar os resultados desse estudo, a universidade King’s College, de Londres, na Inglaterra, descobriu que as células-tronco podem não apenas fazem com que os dentes cresçam de novo, assim como podem regenerar o dente depois de danos, como os da carie. Eles descobriram ainda que existe uma substancia que pode estimular a produção dessas células tronco naturalmente na parte interna do dente.

 Eliminando cáries naturalmente

O nome da substancia magica que ajudaria a estimular a regeneração do dente é o tideglusib, usado para tratar distúrbios neurológicos, tais como o Alzheimer. Aplicado direto na polpa do dente (o centro do dente), ele estimula o corpo a produzir células tronco naturalmente. Essa produção que é responsável pela regeneração do dente.

“A simplicidade da nossa abordagem faz dele ideal como um produto para o tratamento natural de grandes buracos, proporcionando a proteção da polpa e restaurando a dentina [a parte mais profunda do dente]”, explica Paul Sharpe, um dos principais autores do estudo.

Os testes iniciais foram realizados em ratos e os resultados foram muitos animadores. A droga foi aplicada em uma esponja, colocada no dente, que se dissolve e acaba penetrando internamente com o dente. “Usando a droga que já foi testada em ensaios clínicos para o Alzheimer, oferece uma oportunidade real de conseguir que esse tratamento chegue logo às clínicas”.