O mau funcionamento do fígado pode agravar quadros de depressão e ansiedade

O mau funcionamento do fígado pode agravar quadros de depressão e ansiedade

Compartilhar

Pesquisas recentes com grupos de adolescentes apontou que a quantidade deles com depressão e ansiedade (ou com propensão a estes distúrbios) é quatro vezes maior entre o grupo que possui alguma doença hepática, se comparados a jovens saudáveis. Este foi o resultado da pesquisa de um grupo de cientistas da King’s College, em Londres, resolveu investigar a relação entre estas doenças e dois problemas psicológicos comuns: a depressão e a ansiedade.

O estudo tinha como objetivo geral determinar se o tratamento dos jovens contra as doenças hepáticas poderia ser, de alguma forma influenciado pela depressão ou ansiedade.

Do estudo, participaram 187 pessoas de uma clínica que cuida de pacientes com problemas no fígado. Os jovens, com idades entre 16 e 25 anos, precisavam responder a um questionário online sobre saúde mental, segundo o qual é possível diagnosticar depressão e ansiedade.  Os pacientes foram divididos em três grupos: os que haviam passado por um transplante de fígado, os que tinham uma doença hepática autoimune e aqueles com problemas crônicos no órgão.

Os pesquisadores descobriram que, deste grupo de pacientes com doenças hepáticas, 17,7% tinham ou depressão ou ansiedade. Este número é 5 vezes maior do que a média de adolescentes ingleses que são clinicamente deprimidos.

O interessante é que nenhum dos participantes acreditava que a doença psiquiátrica tinha a ver com a física: assim como qualquer outro adolescente, as causas da ansiedade ou da depressão era, para eles, cansaço, baixa autoestima, falta de sono, problemas financeiros ou e dificuldades escolares. Os pesquisadores também não encontraram diferenças significativas entre os grupos de pacientes – em todos eles, o número de pessoas com questões psicológicas eram quase os mesmos.

Mesmo assim, a depressão e a ansiedade pareciam influenciar como os pacientes percebiam as doenças: grande parte dos adolescentes achava que, nas fases depressivas ou ansiosas, os sintomas das doenças hepáticas os afetavam mais e em maior número, e também que o impacto das doenças em suas vidas era maior. Faz sentido: com questões psicológicas, fica mais difícil levar uma doença como essas nas costas, ainda mais em uma fase tão importante e estressante da vida.

Mas nem todas as conclusões foram negativas. Entre as más notícias, os pesquisadores notaram que as questões psicológicas, apesar de terem um forte impacto na vida de cada jovem, não pareciam influenciar negativamente o tratamento hepático deles – quer dizer: a depressão e a ansiedade não dificultam a cura das doenças do fígado.

Ou seja, nunca é cedo demais para prestar atenção em sua saúde. Evite desde já consumir alimentos muito gordurosos ou abusar no consumo de álcool. Leve uma vida saudável, com boa alimentação e pratica constante de esportes que a depressão e a ansiedade não vai ser suas aliadas.