Perguntas que toda mulher deve se fazer ao longo da vida

Perguntas que toda mulher deve se fazer ao longo da vida

Compartilhar

A vida é marcada por fases. Passamos por momentos difíceis em que não sabemos como lidar com uma situação especifica. Com toda essa instabilidade, o nosso comportamento acaba sendo diferente frente a uma situação nova e ficamos com aquela pergunta: porque eu agi assim?

Ou ainda aquele terrível sentimento de que a vida se segue e que você perdeu o controle dela, que deixou de ser a dona da sua vida, dos seus sentimentos. Todo esse processo de amadurecimento e autoconhecimento vem através das experiências, quer sejam elas boas ou ruins que temos ao longo da vida. Nem sempre tomaremos as melhores decisões, aquelas mais racionais. E a beleza da vida está em estar sempre em mudança, nunca ser a mesma pessoa de sempre.

Entretanto, há certos questionamentos que sempre afligem as mulheres, principalmente depois de passar dos 30. Parece que essa idade é um verdadeiro marco na vida da mulher, um acontecimento que acaba o ciclo da vida de “adolescente” ou jovem adulto, para finalmente entrar no cruel mundo dos adultos.

Me tornei quem eu queria ser?

Esse é o grande questionamento de todas as jovens mulheres. Quando crianças e adolescentes, sempre temos aquela mulher incrível, forte e batalhadora que se torna um exemplo, alguém que admiramos. E sempre prevíamos o nosso futuro como sendo aquela mulher incrível, que conseguiu o equilíbrio entre vida profissional, família e felicidade.

Mas, será que hoje você é aquela pessoa que esperava ser? Não, não estamos dizendo essa super-heroína incrível. Você não tem a obrigação de ser ela. Mas, será que a mulher que você se tornou daria orgulho aquela menina sonhadora? Vale a pena o momento de reflexão.

Será que eu realmente quero ter filhos?

Hoje, com a liberação e o empoderamento da mulher, ela não é mais obrigada a se casar para de sustentar, tampouco filhos para ser feliz. A medicina avançou de tal maneira que é possível evitar uma gravidez ou ainda engravidar com um pouco mais de idade, sem riscos.

Não são poucas as mulheres que vem priorizando outros aspectos da vida, permitindo-se declinar do papel de mãe ou mesmo protelar a maternidade para um momento mais oportuno, respeitando outra prioridade”.

Estou numa profissão que me agrade?

Temos a pressão de escolher a nossa profissão antes mesmo de atingir a maioridade. A maioria dos jovens no Brasil já entra numa faculdade após acabar os ensino médio, com 17 ou 18 anos. A escolha, que naquela época parecia maravilhosa pode não se revelar a sua profissão dos sonhos. E não há nada de errado nisso!

A cobrança, quer pelos pais ou pela sociedade é muito grande. Muitas vezes escolhemos a profissão mais por uma questão de estabilidade financeira do que o prazer de trabalhar naquilo. Não há nenhum problema em fazer uma escolha racional como esta, mas também saiba a hora de mudar.

Se o seu trabalho é um verdadeiro martírio, faça um auto analise. Veja os pros e os contras daquela profissão antes de tomar uma decisão precipitada. Você pode acabar percebendo que a grande culpa da sua insatisfação com o emprego é sua, e nesse caso não adianta a profissão dos sonhos, pois a insatisfação continuará.

Eu deveria cuidar da minha saúde mesmo jovem e saudável?

A resposta é SIM! A grande maioria das doenças surgem (ou podem ser evitadas) se adotarmos um estilo de vida saudável. Por mais chato e difícil que pareça ser, aquela velha história de seguir uma boa alimentação, aliada a pratica de atividades físicas é a chave de um corpo saudável.

Muitas vezes a correria do dia a dia torna muito difícil se alimentar bem ou ir à academia com regularidade, e acabamos sempre culpando a rotina corrida. Por mais que agora você seja jovem e saudável, a idade é implacável. A idade vem, e com ela não apenas umas ruguinhas, como também uma série de doenças terríveis, como o diabetes, hipertensão, doenças coronarianas e até o câncer. Então, que tal reavaliar como você tem tratado o seu corpo ultimamente? Não foque na estética e sim na saúde.