Por que o Brasil tem o mais índice de transtorno de ansiedade...

Por que o Brasil tem o mais índice de transtorno de ansiedade do mundo?

Compartilhar

Um dado recente divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o Brasil serviu como um verdadeiro alarme e surpreendeu a muitas pessoas. Segundo pesquisar, o Brasil é o pais com maior número percentual de pessoas que sofrem com algum tipo de transtorno de ansiedade em todo o mundo.

A pesquisa aponta que cerca de 9.3% dos Brasileiros sofrem com essa doença, que tem sintomas como dificuldade de concentração, angustia, irritabilidade, preocupação excessiva e até insônia. No quesito depressão, os números brasileiros também são assustadores. O País é o 5º do mundo no percentual de população com depressão, ficando atrás apenas de países como Ucrânia, Austrália Estônia e Estados Unidos. Em torno de 11% da população Brasileira (5,8% da população total) sofre com a depressão.

Ansiedade dos brasileiros

Os dados da OMS são bastante reveladores e um tanto surpreendentes, pois se acreditava que a população brasileira é sempre alegre e divertida, sempre pronta para ajudar e com um sorriso na cara. Não é à toa que índices de cordialidade local feito por viajantes do mundo toso sempre apontam o Brasil como um pais onde a população é (ou parece ser) feliz.

Esse índice alarmante pode ser uma consequência da crise econômica que abala o pais e o consequente clima de incerteza entre a população geral. Para o especialista em saúde mental da OMS, Dan Chisholm, o aumento considerável dessas taxas de ansiedade e depressão estão mais relacionadas ao momento que determinado pais atravessa do que fatores culturais.

Trata-se da manifestação de uma confluência de diferentes fatores a nível individual, social e ambiental”. “Sim, problemas socioeconômicos como pobreza, desemprego ou desigualdade de renda podem ser fatores justificáveis, mas também pode haver questões mais amplas (políticas e macroeconômicas), além de fatores biológicos e a tendência de comportamento dos brasileiros”.

Um outro relatório também da OMS, mas dos anos de 2014 já apontava essa tendência a altos níveis de ansiedade e depressão entre a população, em especial em São Paulo. Os números, mais uma vez são assustadores. Os paulistanos têm maior incidência a perturbações mentais em todo o mundo (pelo menos 29,6% deles sofrem disso).

“É muito difícil pontuar um fator em particular que explique tudo isso”. “É preciso pesquisar a fundo cada uma dessas particularidades”.

 

Campanha contra ansiedade e depressão

A ansiedade, apenas de “menos” grave do que a depressão, ‘também é um problema de saúde pública. Para muitos, é considerava o mal do século, a doença que mais atrapalha a vida das pessoas, num contexto de doenças psicológicas. Ciente deste quadro e das consequências destes transtornos, a OMS e outras organizações já promovem campanhas para conscientizar a população sobre estes transtornos.

O dia 7 de abril foi o escolhido pela OMS para ouvir as pessoas com depressão. “Pode ser um ponto vital na sensibilização sobre o tema, ajudando a identificá-la em nós mesmos ou aqueles com quem vivemos, nos envolvemos ou trabalhamos, para ajudar a procurar ajuda, se necessário”, alerta o especialista.