Saiba quais os principais alimentos que desencadeiam a enxaqueca

Saiba quais os principais alimentos que desencadeiam a enxaqueca

Compartilhar

Continuando a postagem anterior sobre a enxaqueca, seus sintomas e causas, você sabia que há uma série de alimentos que funcionam como um gatilho, desencadeiam a enxaqueca? Se você sofre deste mau incurável, é interessante saber quais alimentos são mais propensos a gerar as temidas crises de enxaqueca.

E se engana quem acha que os sintomas da enxaqueca se restringem a dor de cabeça. Principalmente em relação a enxaqueca alimentar, que surge após a ingestão de certo tipo de comida, os sintomas incluem vômitos, náuseas e até diarreia. Para nos ajudar nessa tarefa, temos a ajuda do neurologista, Dr. Marcelo Calderaro.

Alimentos que causam enxaqueca

“Muitas vezes, o gatilho é fruto de uma associação pouco sólida e identificável. Não há um alimento que desencadeie a dor de cabeça em todas as pessoas, mas há indivíduos que têm hipersensibilidade para alguns compostos, o que estimula a enxaqueca”, explica o neurologista Marcelo Calderaro, que continua. “Por exemplo, comer chocolate pode desencadear para uma pessoa, mas não para outra”.

Entretanto, os alimentos listados abaixo são os que mais se relacionam aos episódios de enxaqueca na maioria dos pacientes. Lembrando que a lista não é fechada, podendo ter outros alimentos a depender do indivíduo. A recomendação médica é sempre ficar atento ao alimento consumido antes de que uma crise ocorra para que se avalie se a causa pode ser ligada a comida.

  • Queijos, principalmente os duros e muito temperados
  • Álcool
  • Cafeína
  • Chocolate
  • Aspartame
  • Enlatados e embutidos
  • Carnes e queijos defumados
  • Alimentos gordurosos
  • Frutas cítricas como a laranja e o limão

Como tratar a enxaqueca

O Dr. Calderaro esclarece que, infelizmente a enxaqueca não tem uma cura definida e sim mecanismos para atenuala-a. A maioria deles está ligada a levar uma vida saudável, com boa alimentação e exercícios físicos.

“praticar atividades físicas + definir padrões de sono + manejar o estresse”. “Geralmente, essas três medidas costumam ser eficientes em uma grande parcela dos pacientes. Se elas não resolverem e o paciente for muito impactado pela doença, é necessário recorrer a outras formas de tratamento, como medicamentos. Porém, só um médico pode avaliar o que deve ser feito para amenizar este desconforto”. .